segunda-feira, 19 de novembro de 2012

A vanguarda do futuro

"A mim não cabe ser padrão de nada,
prefiro a escapada pro além normal..."
(Nonoh e Caroço)



Outro dia vi num cartaz de um peça de teatro o seguinte subtítulo "Isto não é um espetáculo". Engraçado né, quiseram brincar com a aparente contradição existente na idéia de ser um espetáculo teatral, que não se enquadrava na idéia de espetáculo do Guy Debord. Tipo um não-espetáculo.
Ultimamente tenho percebido muito esse fenômeno, espetáculos que se dizem não espetaculares, empresas que se dizem anticapitalistas, produtos artísticos que se colocam à margem das mercadorias, coletivos de um único indivíduo e coletivos com várias pessoas corporíficadas em um único representante, também chamado de porta-voz.
Me parece que são características de uma parcela da militância dessa época, que vive em cima da "especulação do não-espetáculo". Que ao meu ver pode ser ainda pior que a lógica da arte alienante, historicamente atrelada a construção e disseminação do imaginário burguês nos últimos séculos.
Essa especulação da arte não espetacular é na maior parte das vezes uma máscara que esconde o intuito verdadeiro que move essa produção artística, e também serve de rótulo para embalar a obra e direciona-la a um público específico que se sente favorecido ao corroborar com tal ideário vanguardista de arte.
Essa arte que não se diz mercadoria é vendida por preços de mercado aos maiores financiadores de arte e cultura no país, SESCs, Centros Culturais de Bancos, ONGs e etc. Fora é claro o investimento público que recebem por seus projetos revolucionários nas periferias da cidade. Leis de fomento e outros pequenos editais que somados rendem recursos que rodam na casa dos milhões na mão de um único grupo.
Por que digo que essa lógica é pior que a dita arte alienante. Simplesmente por que maquiada pela pompa militante essa produção circula livremente pelos salões nobres e pelas quebradas disseminando seu discurso panfletário e atraindo seguidores/adoradores. Que, por muitas vezes, são gente já sem repertório para ver o óbvio e nesses casos ainda tem de tentar se esquivar do que vem embalado de benfeitoria.
Torna-se cruel pois se vale do discurso da identidade periférica quando é conveniente e da braçadas largas no mar das elites burocratas para fazer girar seu business. É especulação justamente por isso, pois não só não vive a realidade que pretende representar, como também se vale dela para lucrar.
O mais ridículo é que o próprio Debord já atentava a isso:
"Não se pode contrapor abstratamente o espetáculo a atividade social efetiva; este desdobramento esta ele próprio desdobrado. O espetáculo que inverte o real é produzido de forma de que a realidade vivida acaba materialmente invadida pela contemplação do espetáculo, refazendo em si mesma a ordem espetacular pela adesão positiva" (pra quem acha que eu inventei a frase pode olhar o link: http://www.ebooksbrasil.org/adobeebook/socespetaculo.pdf. Tá na página 16).
Sábio o rapaz imaginava que muito lobo ia se travestir de cordeiro pra papar algumas cabeças.
E é por isso que são perigosos, pois não nos permitem de cara descobrir seus propósitos e são eficientes nisso, são técnicos, são profissionais, e não que isso seja ruim, mas só os são às custas do recurso ganho em cima do imaginário criado, ou seja, da especulação do não espetáculo, que os enaltece e restringe o recurso à grupos "menos experientes" que os mesmos. Logo, suas obras são polidas, são bem acabadas, como tudo que se pretende vender com boa penetração no mercado. Porém sua produção continua tão alienante como qualquer outra novela, pois só inverte o jogo. Assim deixamos de ser alienados de direita pra sermos alienados de esquerda. O mais engraçado é que para os produtores dessa arte todos podem ser alienados, menos eles mesmos.
Por exemplo, se são classe média/alta a situação é a seguinte: Eles podem não trabalhar para não contribuir com a lógica perversa do patronato, mas seus pais puderam para dar-lhes educação e comida no prato.
Se são de classe baixa, podem dar-se o direito de desviar uma graninha de seu edital público, pois afinal estão roubando o estado que sempre os roubou (a população que paga impostos com o próprio sangue fica aonde mesmo?). O inverso desse discurso também acontece.
O povão de verdade, se pá nem sabe o que é um edital, e segue pegando ônibus lotado diariamente e batendo seu cartão religiosamente, porém com uma dignidade que esses "trabalhadores da cultura" não conhecem.
Os trabalhadores, que como eu, dividem a realidade crua, sabem que o patrão os explora, mas também sabem que se não estiverem lá trabalhando os seus filhos não terão o que comer, e as contas não se pagarão sozinhas. Talvez não tenham dimensão do tamanho do monstro que é a máquina do estado, mas também não colaboram com pilantragens menos aparentes se valendo do mito de Robin Hood.
Internamente esses "coletivos" normalmente não são nada coletivos, exercem suas hierarquias e suas vaidades à revelia. Por vezes são tiranos com seus próprios companheiros de trabalho, isso quando não os expulsão por não se adequarem a lógica prescrita, mas enfim... os meios justificam os fins, tudo em nome da arte, não?
Não! Eu com meu trabalho tenho muitos desejos, e poucas pretensões, não sou melhor nem pior que ninguém, mas prezo alguns valores irredutíveis que não se desmancham frente ao capital. Queria que minha arte fosse reconhecida em sua riqueza e sua precariedade, e que eu pudesse obter dela o suficiente para ter uma vida decente com minha família, mas sei bem que o difícil é ser ético nesse mundo, ter muita grana em cima de palavrório e pactos obscuros é fácil demais, e aprendi cedo a duvidar de tudo que chega muito fácil.
Finalizo lembrando que muitos bons artistas e militantes do passado hoje são parte de uma cúpula de ladrões que além de seus cachês milionários advindos da indústria cultural, recebem rios de dinheiro anualmente dos mesmos balcões públicos de negócio, ops, dos mesmos editais.
Parafraseando meu pai, penso que a mim não vale ser padrão de nada, vale mais seguir além, na batalha dura e sincera dos normais, errando e acertando junto dos meus iguais. Estes que desarmados não representam vanguarda nenhuma, nem pretendem se-la no futuro.
Tenho certeza que viver é fazer arte sem ARTEfícios, arte in natura, não ARTEficial. E mesmo que eu não obtenha notoriedade nem ganhe dinheiro com meu trabalho artístico, sei que não perdi nada de valor para validar meu sonho.
E não hei de me sentir deprimido por não ter feito a arte mais revolucionária do mundo, pois transformar a sociedade depende de movimentar forças muito maiores que as da arte!









12 comentários:

Tatiana Monte disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Luiz disse...

Parabéns pelo texto Daniel, estamos conversando muito por aqui, que porra é essa que estamos fazendo e para quem? Tipo crise existencial!!rsrs
Eu particularmente, não ando muito entusiasmado, mas vamos continuando a conversar!!! Seu texto vem em boa hora, vemos o Mercado nos impondo as coisas e estamos aceitando!!! E com isso, deixando de fazer as coisas simples que realmente tem o poder de transformar!!!Grande abraço

André disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
André disse...

Pois é meu velho, enquanto qualquer produtor cultural, artistico psico-revolucionario, achar que é superior, que é lenda, que é quem faz sozinho a merda só se multiplicará. No fim das contas entendo que todos querem grana e fama como diz em uma musica da plebe "Vc é musico não é um revolucionario, faça o que eu te digo que eu te faço milionario", e muita gente aceitou, muita mente pensante e de um historico de luta se perdeu meio ao capital por se achar superior aos demais, daí negam-se ao trabalho "escravo e impreciso" e passam a financiar suas necessidades financeiras diarias com grana publica ou dessa politica de balcão com itau e blablabla, mas no fim sugam tanto da periferia e do proletariado quanto os mesmos colarinhos brancos que criticam, a diferença é que uns usam abraços e sorrisos falsos, outros canetas e gravatas originais. Bela reflexão a sua.

Rogerio Pixote disse...

Eita porra, as vezes me dá uma vontade de fazer um fanzine apócrifo de fofocas e mentiras que circule no meio cultural da periferia. kkkkkk Iria dar mó bafáfá!

Pts, revelei o que nao poderia falar. Que merda.

Eu sou você, ué? disse...

kkkk
já pensei nisso também Pixote, mas acabei achando melhor mostrar a cara, tenho o queixo duro... rsrsr

Selito SD, Osasco, SP, Brasil disse...

Inspiradora a sua reflexão. Compartilho suas inquietações.

Há braços fortes!

Ademir de Almeida disse...

A proposta de reflexão é boa Daniel... Mas a reflexão em si, achei péssima.
A nossa realidade tá cada vez mais séria e contraditória e a gente precisa ser mais rígido e profundo nas análises.
Ainda mais nessas que se tem a pretensão de publicizar.
Não fica claro o propósito dessa sua crítica ferrenha a todos os fazedores de arte da periferia. Ou seria só aos que se julgam trabalhadores da Cultura? Ou seria só aos aproveitadores que adotam uma roupagem ou um discurso periférico em seus trabalhos? Porque em cada parágrafo você usa uma generalização diferente, então não fica claro quem é que vc tá tentando criticar de fato.
E essa postura moralista de julgar quem vende seu trabalho ou precisa de editais para sobreviver também não ajuda nada... Vc não precisa vender seu trabalho? Que sorte a sua então...
Acho que ajudaria a melhorar seu texto se vc se colocasse mais na crítica e não só julgasse comportamentos alheios como se estivesse a parte desse mundo. Afinal, até onde eu sei, vc também pertence a essa classe trabalhadora que tenta sobreviver duramente trabalhando com cultura na periferia e, certamente, tem que lidar com as contradições dessa condição.
Ou se a intenção é ser provocativo, provoque de verdade... Cite exemplo dessas práticas que vc tanto condena, dê nomes aos “bois”, denuncie, faça algo que vá além desse desabafo pessoal genérico, que só serve para alimentar o Muro das Lamentações dos Artistas Fudidos e dividir ainda mais a nossa classe já tão dividida...
Já que tem a língua afiada e, como vc disse num comentário anterior, o queixo duro, então vai prá cima mesmo.

Abração.

Lucas Diniz disse...

"Den­tro em breve, nas ruas só haverá artis­tas, e vai ser muito difí­cil encon­trar um homem."
(Arthur Cravan)

Lucas Diniz disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Anabela disse...

Gostei muito da reflexão... Tenho outras várias...

NCA - NÚCLEO DE COMUNICAÇÃO ALTERNATIVA disse...

Ademir tu tem todo o direito de analisar o texto do modo que quiser, mas não de dizer como eu devo ou não agir, eu falo aqui de um perfil de militância não de um ou outro alguém específico, mas se lhe doeu é por que me parece claro que lhe serve.
Agora rapaz não tente distorcer minhas palavras pra se sentir menos angustiado, eu não sou contra quem tem de vender seu trabalho seja pra empresas de cultura ou pra editais, mas sim quem vende um discurso anticapitalista e arrota superioridade pelas esquinas...
Como se o mundo fosse regado de ignorantes, pois ninguem faz a arte que lhes agrada ou tem a militancia que lhes convém.
E obrigado por me dar o poder de dividir a "nossa classe", não sabia que tinha esse poder, agora sabendo vou usa-lo mais, assim quem sabe não separamos de vez o joio do trigo!

abraço