sábado, 8 de outubro de 2011

Cantos e (in)cantos

Eu já não canto como antes
alguns dizem que a voz melhorou
outros preferiam antes

aqui do meu canto percebo o tempo
e constato "perdi um tanto do encanto de outrora"
a vida me rendeu esse lamento,
as vezes doce, as vezes azedo

O medo, esse ganhou força,
o lombo também calejou,
mas hoje procuro levar menos porradas

O tempo me deu algumas coisas e tirou outras,
amigos, vitalidade, sabedoria, esperança, amores, sonhos...

Sou nostálgico com certas memórias
com outras o esquecimento é a melhor saída

Feridas? Tenho várias, mas sou grato pelo aprendizado
não me arrependo de nenhum abismo que me joguei,
Porém hoje já não quero despencar de altura alguma

Preservo alguns hábitos,
mesmo que neles se explicite a dor que carrego

(Sabe -se que hoje comer feijoada é uma festa,
mas num dado momento da história
foi a situação mais dolorida)

Eu sigo assim,
navegando dentro de mim, surfando meus carmas,
bebendo água em fontes turbo-lentes

Um sentimento ainda me inquieta:
Por que algumas coisas se esvaem tão ligeiras,
e outras perseveram todos os dias nos dando rasteira?

Espero que o caminho me leve a essa resposta
pelo menos essa...

2 comentários:

Maria Helena disse...

Muito bom!

Abraços Dani!

LEIDYLA disse...

Ai DANI Sua poesia me encanta! e que saudade de vc meu amigo!